Apenas 10% das empresas usam recursos públicos para inovação, aponta CNI

Pesquisa com 196 empresas mostra que a maior parte compreende a importância de investir em P&D e destina recursos para produtos e processos inovadores

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou na última quarta-feira (9), o resultado da pesquisa sobre as iniciativas de inovação ao longo de 2020, realizada junto a 196 empresas.

De acordo com o levantamento, apenas 10% destas empresas utilizaram linhas de financiamento de instituições financeiras ou organismos públicos para obter recursos destinados à área de pesquisa e desenvolvimento (P&D). Cerca de 89% das médias e grandes empresas industriais custearam, com recursos privados, as iniciativas de inovação. O levantamento tem margem de erro de 5,9% a 7,9% e foi feito no período de 4 de outubro de 2021 a 4 de fevereiro de 2022.

Os dados apontam que 73% das empresas entrevistadas inovaram em 2020 — alta de cinco pontos percentuais em relação a 2019, quando 68% dessas empresas informaram ter desenvolvido algum produto ou processo novo.

Entre as empresas que não investiram em atividades de P&D, as principais razões apontadas foram custos de implementação muito elevados (22%) e a existência de outras estratégias relevantes para a competitividade (22%), seguidos por falta de pessoal qualificado na empresa (20%), falta de linhas de financiamento adequadas (20%) e falta de conhecimento sobre parceiros para projetos (19%).

O estudo ressalta que, apesar da falta de apoio público, a maior parte das empresas consultadas compreendem a importância do investimento em P&D e destina recursos para produtos e processos inovadores.

A sondagem da CNI mostra ainda que pouco mais da metade das empresas (51,1%) praticam inovação aberta, ou seja, fazem parcerias com outras empresas, instituições, universidades ou startups para desenvolver processos de pesquisa e desenvolvimento.

Entre os principais programas públicos de apoio à área de P&D utilizados atualmente no Brasil, destacam-se a Lei do Bem, financiamento a projetos/inserção de pesquisadores, bolsas de pesquisas, Lei de Informática e subvenção econômica.

Esses recursos exercem um papel fundamental no crescimento das empresas. Através deles, é possível além de inovar, aumentar a capacidade competitiva e até mesmo iniciar um novo mercado, investindo muito menos do que se imagina.

A G.A.C. Brasil está aqui para ajudar a sua empresa a inovar, por meio de Incentivos Fiscais e Financiamentos Públicos.

Entre em contato conosco e aproveite para conhecer os melhores serviços disponíveis para a sua empresa. Aumente cada vez mais o seu potencial inovador!

Nossos canais:

WhatsApp (11) 9-9221-9019 área comercial.

E-mail: contato@group-gac.com.br

Telefone: (11) 4858-9350 – escritório central em São Paulo, capital.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

Artigos em Relacionamento

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada do MCTI em parceria com o CNPq é a primeira a financiar pesquisas que utilizarão laboratórios flutuante e terrestre do Sistema O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) abriram uma nova chamada, voltada à pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites (SALAS). Com

chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

MCTI, FINEP e CNPq anunciam chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

Editais divulgados em transmissão ao vivo contam com recursos do FNDCT Na última quinta-feira (28), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou, junto aos presidentes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), novas chamadas públicas com uso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Selecionadas pela Jetro São Paulo por meio do programa ScaleUp in Brasil, empresas são das áreas de energia, tecnologia limpa, agro, finanças e saúde As startups japonesas, que já davam passos tímidos em direção ao mercado brasileiro, foram selecionadas pela Japan External Trade Organization (Jetro) e chegam ao Brasil com o objetivo de buscar parceiros

pt_BRPortuguese
Rolar para cima