Parceria entre Brasil e Suíça prevê reunir a indústria dos dois países para o desenvolvimento de projetos de inovação conjunta

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) e a Agência de Inovação da Suíça (Innosuisse) estão com chamada aberta de cooperação internacional para unir empresas dos dois países em projetos conjuntos de inovação.

O objetivo desta parceria é fazer com que as propostas sejam voltadas para o desenvolvimento de soluções e novas tecnologias com potencial de mercado significativo para o Brasil e para a Suíça, de modo a fortalecer a competitividade das empresas.

De acordo com Carlos Eduardo Pereira, diretor de Operações da EMBRAPII, esse intercâmbio permite a integração do conhecimento técnico-científico e a entrada em novos mercados, além de ser o primeiro passo para internacionalizar uma startup ou para o desenvolvimento cooperativo de novas tecnologias de alto valor agregado.

Todos os setores industriais poderão apresentar projetos. No entanto, são incentivados o desenvolvimento de PD&I relacionado a: biotech e medtech, agricultura e produção de alimentos, indústria 4.0, materiais avançados, tecnologias de informação e comunicação, energia limpa e água, cidades e comunidades sustentáveis, digitalização e mobilidade.

A Suíça é um dos países com o maior investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em relação ao seu produto interno bruto (PIB), cerca de 3% ou 16 bilhões de dólares, sendo 2/3 financiados pelo setor privado. Ela figura entre as primeiras colocadas no ranking de inovação do mundo.

Nesse modelo de cooperação internacional, cada país financia suas respectivas empresas e instituições de pesquisa. As empresas brasileiras devem estar associadas à rede credenciada de 61 Unidades EMBRAPII para o desenvolvimento do projeto. A Unidade EMBRAPII tem total autonomia para decidir sobre a viabilidade de desenvolvimento das propostas com empresas brasileiras. A EMBRAPII garante 1/3 de recursos não reembolsáveis.

Interessados tem até 30 de abril para encaminhar uma pré-proposta para avaliação.

A entrega do pré-projeto no dia 30 é uma etapa opcional, em que a EMBRAPII e a Innosuisse analisam e fornecer um feedback sobre o projeto. A submissão final deverá ser feita até 02 de agosto de 2021.

A GAC Brasil é uma consultoria de gestão estratégica de inovação, com longa experiência em fomento à inovação que está presente na Europa, América do Sul, América do Norte e Ásia.

Apoiamos e incentivamos a cooperação em PD&I entre o Brasil e uma das nações mais inovadoras do mundo, Suíça, visto que, tal parceria permite a aprimoração de conhecimentos, estratégias, experiências e melhores práticas em nível técnico e político, em torno da principal área de interesse de ambos os lados.

 

Finep/MCTI vai destinar até R$ 6 milhões para manutenção de equipamentos de pesquisa

Iniciativa busca através da manutenção corretiva de equipamentos multiusuários, restaurar as condições de operação que estejam inoperantes

A Finep – Financiadora de Inovação e Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), está disponibilizando, por meio da chamada pública SOS Equipamentos 2021, até R$ 6 milhões para manutenção corretiva de equipamentos multiusuários, de médio e grande porte, destinados ao desenvolvimento de pesquisa.

Os recursos são do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e serão destinados a ICTs (Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTs) públicas ou privadas, sem fins lucrativos.

A iniciativa busca através da manutenção corretiva ou conserto a ser realizado, restaurar as condições de operação de equipamentos que estejam inoperantes, parcial ou totalmente.

São elegíveis pelo edital equipamentos destinados ao desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica, que se encontram fora do período de garantia. Além disso, eles deverão estar cadastrados na Plataforma Nacional de Infraestrutura de Pesquisa do MCTI antes da submissão das propostas. Não serão aceitas propostas de manutenção preventiva.

Para conferir as instruções de cadastro na Plataforma, acesse: https://pnipe.mctic.gov.br/

Cada proposta poderá contemplar até dois subprojetos. E cada subprojeto deverá prever a manutenção corretiva de apenas um equipamento. O valor mínimo a ser pleiteado para manutenção será de R$ 50 mil por equipamento e, o valor máximo, R$ 600 mil.

O prazo para apresentação de propostas vai até 30 de março de 2021. A divulgação do resultado preliminar está prevista para acontecer a partir de 30 de abril, e o resultado final, a partir de 31 de maio deste ano.

Dúvidas a respeito do edital deverão ser encaminhadas para o e-mail sac@finep.gov.br.

 

 

Brasil e Alemanha discutem intensificar sua cooperação científica

Oportunidades e prioridades de cooperação em ciência e tecnologia entre os países foram debatidas, especialmente na área de combate à Covid-19

 O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, se reuniu recentemente com o embaixador da Alemanha no Brasil, Heiko Thoms, para discutir as oportunidades e prioridades cooperação em ciência e tecnologia entre os países, especialmente na área de combate à Covid-19 e em pesquisas na Amazônia.

Durante a reunião, o ministro detalhou diversas iniciativas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), como o projeto Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites MCTI (SALAS MCTI), que vai instalar infraestrutura de apoio à pesquisa científica na Amazônia, a expansão do projeto Providence, com tecnologia de monitoramento da biodiversidade e a Base Integrada Georreferenciada (BIG) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), unidade de pesquisa vinculada ao MCTI.

De acordo com Pontes, a ciência a pesquisa e a presença de cientistas são essenciais no combate ao desmatamento, e o trabalho dos institutos de pesquisa do MCTI na região, como o Instituto Mamirauá, Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas (INPA) e o Museu Emílio Goeldi, tem sido de suma importância. “A ciência é a principal arma para enfrentarmos esse problema”, afirmou. “É importante mostrar o trabalho que está sendo feito em pesquisa, especialmente envolvendo as comunidades locais”.

O embaixador da Alemanha, Heiko Thomas, ressaltou a parceria dos países no projeto do Observatório da Torre Alta na Amazônia (ATTO, na sigla em inglês) e o trabalho do instituto Max Planck, e sugeriu a intensificação da cooperação no combate à pandemia da Covid-19, em face à ameaça apresentada pelas nova variantes do coronavírus.

Na reunião também foi abordada a intenção de estabelecimento de um Diálogo Digital entre Alemanha e Brasil, assinada em setembro de 2019, com o objetivo de promover cooperação e intercâmbio das melhores práticas nas áreas de: aplicação e desenvolvimento adicional de tecnologias emergentes, como inteligência artificial (IA), internet das coisas (IoT), blockchain, big data; promoção do ecossistema de IoT e segurança cibernética industrial; governança digital em projetos tecnológicos; computação em nuvem; apoio à digitalização das pequenas e médias empresas (PMEs); apoio a startups; competências e trabalhadores qualificados; economia de plataforma; padronização internacional; indústria 4.0; tecnologias e aplicações em redes 5G,  dentre outras.

A 1ª reunião do Diálogo Digital Brasil-Alemanha ocorrerá no próximo dia 16 de março por meio de videoconferência e contará com a participação do secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTI, Paulo Alvim, e do diretor-geral de Política Digital e Inovação, Ministério Federal de Assuntos Econômicos e Energia da Alemanha (BMWi), Stefan Schnorr.

A GAC Brasil é uma empresa global, que nasceu na Europa, com mais de 20 anos de mercado e uma das filiais localizadas na Alemanha. Assessoramos  empresas privadas com estudos de viabilidade, oportunidades de investimento em PD&I e as melhores opções de financiamento.

Entre em contato conosco:

E-mail contato@group-gac.com.br

Telefone (11) 4858-9350 e WhatsApp (11) 99221-9019.

 

INPE/MCTI apresenta plataforma que permite acesso a projeções de mudança do clima para todo o Brasil

Ferramenta com base em modelos globais e regionais disponibiliza subsídios para a elaboração de planejamento empresarial envolvendo riscos climáticos

A plataforma Projeções Climáticas, desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), unidade de pesquisa do MCTI, foi detalhada durante um webinar direcionado a empresas, realizado no dia 10 de fevereiro.

A ferramenta desenvolvida com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e suporte do projeto de cooperação internacional Quarta Comunicação Nacional e Relatórios de Atualização Bienal do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), permite a disponibilização de informações sobre projeções climáticas de maneira acessível, a partir de modelos globais e regionais, que são essenciais para a elaboração do planejamento empresarial envolvendo riscos climáticos.

“A ferramenta cria uma ponte entre os provedores de informações [que são os serviços climáticos] e os usuários finais”, afirmou Lincoln Alves, um dos coordenadores do desenvolvimento da plataforma no INPE/MCTI e responsável pela apresentação da ferramenta no webinar.

Alves, que também integra o grupo de cientistas que elaboram o AR6 (Sixth Assessment Report) do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC), explicou as motivações que culminaram na criação deste recurso, que é único no País, responsável por sistematizar e organizar de maneira simples as informações de projeções climáticas. “O aumento na frequência de eventos climáticos extremos apresenta um custo muito alto para mitigação dos efeitos.  E as projeções do IPCC indicam um aumento significativo na frequência e intensidade de eventos extremos”, afirmou. Outros portais, em sua maioria internacionais, apresentam dados climáticos em uma linguagem bastante técnica.

Os subsídios disponibilizados pela plataforma atendem à diferentes perfis de usuários e busca traduzir os termos científicos para uma linguagem simples, didática e visual. Entre seus usuários estão empresas interessadas em elaborar planejamento envolvendo riscos climáticos.

De acordo com Alves, houve um rápido crescimento da demanda de informações climáticas no Brasil. Despertar a consciência sobre qual o grau de vulnerabilidade dos setores econômicos é uma etapa importante na agenda.  As informações sobre clima deixaram de ser restritas a área de sustentabilidade e permeiam a todas as demais áreas de uma empresa.

O técnico do INPE alertou que é preciso cuidado ao interpretar as informações de projeções climáticas contidas na plataforma, pois são diferentes comparadas às informações de previsão do tempo. “As projeções de clima não são determinísticas como a previsão do tempo. Há um grau de incerteza envolvido, por isso é fundamental não se deter a apenas um cenário exclusivo”, explicou.

Fontes:MCTI e INPE.

 

 

Tecnologia 5G já é realidade e deve causar impactos positivos no Brasil

Lançamento da tecnologia que promete mais conectividade deve acontecer após o leilão das frequências realizado pela Anatel, entre maio e junho de 2021

A implementação do 5G está cada vez mais próxima da realidade, visto que todas as operadoras já iniciaram seus testes no Brasil e sua chegada oficial ao país acontecerá após o leilão das frequências de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), entre maio e junho deste ano.

A ultra velocidade já pode ser experimentada em algumas cidades do Brasil, devido ao lançamento de redes 5G dentro das frequências existentes, baseadas em uma tecnologia chamada DSS (compartilhamento dinâmico de espectro, na sigla em inglês), já realizado por algumas operadoras de telefonia. Através desta ação é possível compartilhar, de forma dinâmica, o espectro 3G e 4G não utilizado para prestar o serviço 5G.

Os testes iniciais apontam para velocidades entre 100 Mbps e 400 Mbps, demonstrando eficiência acima da melhor rede 4G de telefonia. Porém, o 5G DSS ainda demanda de uma banda contínua e dedicada para ser considerada experiência “pura”.

O 5G permitirá uma taxa de transmissão de dados para os telefones até centenas de vezes maior do que a atual, já na casa dos gigabytes por segundo, e uma latência (teórica) de até 1 milissegundo – atualmente, com o 4G, a latência está perto de 80 milissegundos.

Atualmente, Brasília é a cidade considerada mais “coberta”, por receber o lançamento dos testes 5G DSS, das quatro principais operadoras do Brasil – Tim, Vivo, Claro e Oi.  São Paulo e Rio de Janeiro também possuem pontos com ultra velocidade, bem como Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Belém, Goiânia, Manaus, Porto Alegre, São Luís, Rio Verde (GO), Campinas (SP), Guarulhos (SP), Santo André (SP), Santos (SP), São Bernardo do Campo (SP) e São Caetano do Sul (SP).

Edital de 5G

O edital promete catalisar uma discussão proposta pelo relator Carlos Baigorri, que teve início em 2020 e deve ganhar força neste ano: de que maneira a Anatel pode garantir acesso do espectro a players que hoje não têm autorização de uso nas faixas mais nobres, ou que não tenham condições de participar de leilões nacionais.

Conforme a proposta colocada pela área técnica e mantida pelo relator, todos os vencedores do edital deverão “a partir de 1º de janeiro de 2026, expedir e manter disponível oferta pública de direito de uso de radiofrequências, (…) em todos os municípios em que houver ausência do seu uso, em sistema indicado pela Anatel, com vistas a permitir o uso da faixa, em caráter secundário, por terceiro interessado”, diz o item 10.1 do Anexo IV.

Para conferir a minuta de Edital, acesse: https://bit.ly/3a7TIcT

Deseja saber como aplicar um projeto estratégico e tornar a sua empresa mais inovadora?

A GAC Brasil é uma consultoria especializada, que oferece uso otimizado da Lei do Bem, as melhores opções de financiamento para PD&I e aplicação de Assessment por meio de Inteligência Artificial e Deep Learning.

Entre em contato conosco através dos canais:

E-mail contato@group-gac.com.br

WhatsApp (11) 9-9221-9019    Telefone (11) 4858-9350

 

Ministério da Economia e Sebrae anunciam investimento de R$ 44 milhões para apoiar startups brasileiras

Ação tem como objetivo tornar o país um dos três principais ecossistemas de empreendedorismo do mundo

A Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME) e o Sebrae anunciaram na última terça-feira (9), investimentos de R$ 44 milhões no InovAtiva Brasil para apoiar até 15 mil startups brasileiras ao longo dos próximos anos.

O objetivo desta ação, segundo as duas entidades, é de tornar o país um dos três principais ecossistemas de empreendedorismo do mundo. Através deste investimento, serão oferecidos serviços gratuitos de aceleração, networking, capacitação e desenvolvimento de polos regionais.

A primeira ação oficial foi o programa Ideiaz Powered by InovAtiva Brasil, que tem a finalidade de atender 1 mil projetos e pequenos negócios inovadores em estágio de ideação. A iniciativa conectará esses empreendimentos a incubadoras e aceleradoras de todo Brasil, sendo elas responsáveis pela mentoria e consultoria, além de suporte tecnológico para formalização do negócio e qualificação empreendedora.

De acordo com Carlos Da Costa, Secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, em 2021 a capacidade de atendimento para levar as ferramentas e serviços do InovAtiva aos empreendedores de todo o país será ampliada.

Carlos Melles, presidente do Sebrae, afirma que o Ideiaz tem como vantagem reunir uma rede de empresas, empreendedores e ecossistemas abertos a novas soluções, e destaca que por meio da operacionalização deste programa, será possível levar inovação e capacitação a diferentes ecossistemas brasileiros.

A GAC Brasil trabalha na implementação de projetos internos de Inovação Aberta, por meio da aplicação de metodologias, ferramentas e abordagens personalizadas.

Entre em contato conosco através dos canais:

Telefone: (11) 4858-9350   WhatsApp: (11) 9-9221-9019

E-mail: contato@group-gac.com.br

 

Tecnova II anuncia R$ 9,5 milhões em programa de incentivo à inovação tecnológica

Iniciativa do Governo do Estado executada pela Fundação Araucária e a Finep/MCTI conta com um recurso total de R$ 9,5 milhões

O programa Tecnova II, cujo objetivo é projetar o setor produtivo estadual no contexto nacional de incentivo à inovação tecnológica, será implantado por meio de uma parceria entre o Governo do Estado, sendo executado pela Fundação Araucária e a Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Finep/MCTI).

A iniciativa conta com um recurso total disponível de R$ 9,5 milhões em inovação, englobando também projetos de enfrentamento ao coronavírus, e conta, ainda, com o apoio das superintendências de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e de Inovação (SGI), do Sebrae/PR e do Senai/PR.

Segundo o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig, o Paraná possui uma teia de ecossistemas de inovação diferenciada, sendo justamente essa diversidade que faz com que seja possível alavancar recursos. Além disso, Wahrhaftig ressalta a alta qualificação na academia para auxílio na criação de riqueza e renda para o Estado, e na transformação da ciência e tecnologia em inovação.

O programa vai apoiar empresas com sede e foro no Paraná, que tenham faturamento bruto anual de até R$ 16 milhões. Os recursos disponibilizados nesta chamada serão destinados à subvenção econômica de até 25 projetos de inovação tecnológica. O valor solicitado como subvenção econômica na proposta deverá, obrigatoriamente, enquadrar-se entre o mínimo de R$ 180 mil e o máximo de R$ 380 mil.

Dado em caráter excepcional, a presente chamada terá como finalidade secundária o apoio a projetos de pesquisa e inovação que visem contribuir no desenvolvimento de novas soluções com foco emergencial no enfrentamento da pandemia, suas consequências e outras síndromes respiratórias agudas graves.

As áreas prioritárias que receberão financiamento pelo Tecnova II, são: Agronomia (Agricultura/Agronegócio); Saúde (Ciências da Saúde/Biomedicina/Biotecnologia); Energias Alternativas; Metalmecânica/Eletroeletrônica; e Tecnologia da Informação e Comunicação.

Luiz Márcio Spinosa, diretor científico, tecnológico e de inovação da Fundação Araucária, afirma que além da ciência, tecnologia e a inovação serem prioridades para o Governo do Estado, através desta parceria e sincronia de todos os órgãos públicos, privados e segmentos da sociedade, será possível promover o desenvolvimento do País e consequentemente benefícios para a população.

A GAC Brasil auxilia empresas privadas com estudos de viabilidade, uso otimizado da Lei do Bem e as melhores opções de financiamento para PD&I.

Além de escritório na região Sudeste do país (SP e RJ), estamos presentes no Sul, com escritório em Porto Alegre (RS).

Entre em contato conosco para receber mais informações.

Nossos canais:

E-mail contato@group-gac.com.br

Telefone (11) 4858-9350 e WhatApp (11) 99221-9019.

 

 

 

CNPQ E MCTI LANÇAM CHAMADA PARA INSERÇÃO DE PESQUISADORES EM EMPRESAS INCUBADAS

Iniciativa faz parte do Programa Nacional de Apoio aos Ambientes Inovadores e vai destinar R$ 5 milhões para as propostas aprovadas

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) lançaram a chamada “Recursos humanos em áreas estratégicas, pesquisador na empresa incubada”, destinando recursos no valor total de R$ 5 milhões para as propostas aprovadas.

A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Apoio aos Ambientes Inovadores – PNI e conta com o apoio Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

O objetivo é apoiar projetos que buscam contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico e a inovação no Brasil, por meio da inserção de pesquisadores em microempresas e empresas de pequeno porte vinculadas às incubadoras em operação no país.

Os projetos deverão apresentar aderência a, no mínimo, uma das Áreas de Tecnologias Prioritárias do MCTI: “Tecnologias Estratégicas”, “Tecnologias Habilitadoras”, “Tecnologias de Produção”, “Tecnologias para o Desenvolvimento Sustentável” e “Tecnologias para Qualidade de Vida”.

São também considerados prioritários projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação das áreas do setor de saúde relacionados a soluções tecnológicas envolvendo a pandemia do novo coronavírus.

Recursos Financeiros

Os projetos terão o valor máximo de financiamento de R$ 90.000,00 (noventa mil reais) e poderão estar em estágio inicial ou em desenvolvimento nas empresas, ou seja, do TRL 2 ao TRL 5 (TRL – Technology Readiness Level – Nível de maturidade tecnológica atual do projeto).

6 – Itens Financiáveis

6.1 – Bolsas

6.1.1 – Serão concedidas bolsas, por até 18 (dezoito) meses, nas modalidades:

  1. a) DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial), todos os níveis;
  2. b) EV (Especialista Visitante), todos os níveis; e
  3. c) SET (Fixação e Capacitação de Recursos Humanos), todos os níveis.

6.1.1.1 Deverá ser solicitada, ao menos, uma bolsa SET-A, SET-B ou SET-C (profissional com título de doutor) ou SET-D, SET-E ou SET-F (profissional com título de mestre).

As inscrições ficarão abertas até 26 de fevereiro de 2021, e as propostas deverão ser encaminhadas ao CNPq pelo Formulário de Propostas on-line disponível na Plataforma Integrada Carlos Chagas.

No formulário, deverão ser preenchidos a identificação da proposta, dados do candidato, instituições participantes, áreas do conhecimento predominante e do conhecimento correlatos.

O resultado final será divulgado no Diário Oficial da União até 2 de abril.

Para mais informações, acesse: https://bit.ly/36y9USy.

Deseja receber apoio para aplicação do seu projeto neste ou em outros editais? Fale com a GAC Brasil! Somos uma consultoria especializada no fomento à inovação, dentro de uma gestão estratégica da inovação.

Nossos canais:

E-mail contato@group-gac.com.br

Telefone (11) 4858-9350 e WhatsApp (11) 99221-9019.

 

CNI lidera setor empresarial brasileiro nas negociações internacionais para elaboração de norma técnica que estabelecerá diretrizes para otimização de recursos naturais

A indústria brasileira tem defendido uma transição gradual para a economia circular, modelo que associa desenvolvimento econômico ao melhor uso de recursos naturais, tendo foco em práticas como recuperação energética de resíduos e eliminação de desperdícios nos processos produtivos.

Durante as discussões realizadas no comitê da norma de economia circular da Organização Internacional de Normalização (ISO, na sigla em inglês), formado por 70 países, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) destacou a proposta, e a previsão é de que a norma técnica entre em vigor a partir de 2023.

Segundo Davi Bomtempo, gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, é necessário considerar os diferentes estágios de maturidades de países nos critérios estabelecidos na norma internacional de economia circular.

Mário William Esper, presidente da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), afirma que a participação do Brasil nessas discussões é fundamental para ter os interesses do país contemplados, e ressalta que entre as questões polêmicas no acordo com países desenvolvidos está o reconhecimento da geração de energia térmica a partir de resíduos como um caminho de transição para a economia circular.

De acordo com Esper, alguns países não querem reconhecer essa prática como energia circular, mas quando há transformação dos resíduos em combustível, contribui-se para a destinação mais adequada dos resíduos, em especial o urbano. Ele acrescenta que o Brasil precisa desse reconhecimento para fortalecer a imagem de sua indústria como sustentável, para facilitar o acesso a mercados externos.

Um levantamento realizado pela CNI em 2019 mostra que embora 76,4% das indústrias brasileiras adotem alguma prática de economia circular, 70% delas nunca tinha ouvido falar do tema. A pesquisa mostrou também que a indústria brasileira tem avançado em práticas como a eficiência no processo produtivo, reúso de água, a reciclagem de materiais e a logística reversa.

Contudo, ainda há um enorme potencial a ser explorado para que o país seja protagonista no melhor uso de recursos naturais e em inovação no design de produtos para ter maior vida útil e de modelos de negócios que explorem mais novidades como a virtualização e o compartilhamento, e que considerem os produtos como serviços.

Fonte: Agência CNI de Notícias

A GAC Brasil auxilia todos os setores no processo estratégico da inovação, inclusive projetos que visam a preservação do meio ambiente. Proporcionamos o uso otimizado de incentivos fiscais, Gestão da Inovação, Assessment e as melhores opções de financiamento para PD&I.

Entre em contato conosco para receber mais informações.

Nossos canais:

E-mail contato@group-gac.com.br

Telefone (11) 4858-9350 e WhatApp (11) 99221-9019.

 

 

Parceria com redes internacionais tem como foco o desenvolvimento de projetos de inovação em qualquer área do conhecimento e reúne instituições de fomento à inovação de diversos países

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) lançou editais para startups e pequenas empresas desenvolverem projetos de inovação em cooperação internacional, em parceria com dois parceiros internacionais: o IraSME e Rede Cornet, ambos consórcios que reúnem instituições de fomento à inovação de vários países.

Segundo Denise Neddermeyer, assessora da Presidência da EMBRAPII, responsável pela área de cooperação internacional, as oportunidades abertas são de suma importância para estimular o compartilhamento de conhecimento tecnológico e incentivar a internacionalização de empresas brasileiras, sobretudo startups com projetos disruptivos.

Funcionamento das chamadas

IraSME – está recebendo propostas de Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em todas as áreas de conhecimento e todos os setores industriais. Os projetos devem ser realizados em parceria com a indústria dos seguintes países membros da rede: Canadá, Áustria, Alemanha, Peru, Rússia, Luxemburgo e Bélgica.

Rede Cornet – também não faz nenhuma restrição em relação às áreas de conhecimento. Os interessados devem montar um consórcio com pelo menos três pequenas e médias empresas (PMEs) e apresentar uma proposta que promova inovação para o setor industrial. A candidatura do projeto deve incluir ainda uma associação de PMEs.

Em ambos os casos, é necessária a participação de uma das 61 Unidades EMBRAPII, centros de pesquisa integrantes da rede da instituição brasileira, para submeter seu projeto à avaliação. A EMBRAPII financia até 1/3 valor da parte brasileira dos projetos com recursos não reembolsáveis.

As inscrições das duas chamadas vão até dia 31 de março de 2021.

Sobre o IraSME

O IraSME é uma rede de programas de financiamento de diferentes países / regiões que compartilham o mesmo objetivo: apoiar as pequenas empresas em seus esforços de inovação. A rede é coordenada pela Federação Alemã de Associações de Pesquisa Industrial Otto von Guericke (AiF) e financiada pelo Ministério Federal Alemão de Assuntos Econômicos e Energia (BMWi).

Sobre a Rede Cornet (Collective Research Network)

A rede também é coordenada pela AiF e financiada pelo BMWi e tem parceiros na Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Japão, Holanda, Peru, Polônia, República Tcheca, Suíça e Turquia. A Cornet possibilita o desenvolvimento de projetos binacionais entre quaisquer destes países, incluindo a Alemanha.

A GAC Brasil é uma empresa global, presente também na Europa, com uma das filiais localizadas na Alemanha. Oferecemos incentivos fiscais à pesquisa para empresas que investem ou desejam investir em PD&I e Gestão Estratégica da Inovação.

Caso a sua empresa seja alemã e deseje receber informações sobre as demais oportunidades de financiamento implementadas na Alemanha, aproveite para entrar em contato conosco para receber uma assessoria especializada.

Nossos canais:

E-mail contato@group-gac.com.br

Telefone (11) 4858-9350 e WhatsApp (11) 99221-9019.