Como o investimento ESG e a inovação aceleram a Sociedade Criativa

Mudanças são consideradas como oportunidade para alcançar crescimento econômico e construir uma sociedade sustentável e centrada nas pessoas

As mudanças e a aceleração causada pela pandemia, alcançou um patamar elevado com o acréscimo da chegada do 5G no Brasil, a transformação digital e a inovação disruptiva que abrem ainda mais possibilidades para o investimento ESG, além de soluções para problemas considerados até então difíceis, como a produção de energia limpa e alimentos saudáveis, o adensamento em grandes cidades, a saúde e os cuidados médicos, por exemplo.

Essa grande oportunidade para as empresas, promete impactar positivamente os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável).

Logo, será possível o alcance do crescimento econômico de médio e longo prazo, além da construção de uma sociedade sustentável e centrada nas pessoas – conhecida como “Sociedade 5.0” ou “Sociedade Criativa”.

De acordo com a Japan Business Federation, a Sociedade Criativa é uma sociedade sustentável e centrada no ser humano em que os mundos físico e cibernético são altamente integrados pela transformação digital, ninguém fica para trás e todos trabalham juntos para criar vidas seguras e confortáveis e novas oportunidades de crescimento.

A Sociedade Criativa não é apenas uma sociedade superinteligente, mas também uma sociedade na qual qualquer pessoa, a qualquer hora e em qualquer lugar, cria valores enquanto vive em harmonia com a natureza, utilizando tecnologias inovadoras.

Assim, o investimento ESG inovador torna-se imprescindível em qualquer negócio. Há um apelo global às empresas para utilizar a transformação digital e reformar suas estruturas organizacionais, proporcionando um ambiente diverso de pessoas em que possam demonstrar suas habilidades de imaginação e criatividade.

A diferença entre a Sociedade Criativa e a quarta Revolução Industrial – a Indústria 4.0, está em seus propósitos. O objetivo da Indústria 4.0 é buscar a transformação tecnológica e industrial, enquanto a Sociedade Criativa busca a felicidade humana e a construção de uma sociedade mais bem sustentada nessa transformação.

Uma sociedade sustentável e centrada no ser humano é o S no centro do ESG, na qual o crescimento econômico é compatível com a resolução de várias questões sociais, como saúde e cuidados médicos, agricultura e alimentos, meio ambiente e mudanças climáticas, energia, segurança e prevenção de desastres, e igualdade de pessoas e gênero, e em que cada pessoa possa viver e trabalhar com justiça.

O investimento ESG e a inovação são as principais alternativas dos investidores para resolver questões sociais.

Características comuns entre o ESG e a Sociedade Criativa:

1. Voltados para o futuro (potencialidade) – tanto os investimentos ESG quanto a Sociedade Criativa pensam à frente;

2. Fomentação do crescimento econômico e os retornos (lucratividade): o investimento ESG e a Sociedade Criativa têm como objetivo aumentar não apenas o valor social, mas também o econômico;

3. Objetivo de alcançar os ODS (sustentabilidade): tanto o investimento ESG quanto a Sociedade Criativa 5.0 têm como desafio abordar questões globais, alcançar os ODS e criar uma sociedade sustentável.

Fonte: Haroldo Rodrigues – sócio-fundador da investidora in3 New B Capital S.A

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

Artigos em Relacionamento

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada do MCTI em parceria com o CNPq é a primeira a financiar pesquisas que utilizarão laboratórios flutuante e terrestre do Sistema O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) abriram uma nova chamada, voltada à pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites (SALAS). Com

chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

MCTI, FINEP e CNPq anunciam chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

Editais divulgados em transmissão ao vivo contam com recursos do FNDCT Na última quinta-feira (28), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou, junto aos presidentes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), novas chamadas públicas com uso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Selecionadas pela Jetro São Paulo por meio do programa ScaleUp in Brasil, empresas são das áreas de energia, tecnologia limpa, agro, finanças e saúde As startups japonesas, que já davam passos tímidos em direção ao mercado brasileiro, foram selecionadas pela Japan External Trade Organization (Jetro) e chegam ao Brasil com o objetivo de buscar parceiros

pt_BRPortuguese
Rolar para cima