Como o investimento ESG e a inovação aceleram a Sociedade Criativa

Mudanças são consideradas como oportunidade para alcançar crescimento econômico e construir uma sociedade sustentável e centrada nas pessoas

As mudanças e a aceleração causada pela pandemia, alcançou um patamar elevado com o acréscimo da chegada do 5G no Brasil, a transformação digital e a inovação disruptiva que abrem ainda mais possibilidades para o investimento ESG, além de soluções para problemas considerados até então difíceis, como a produção de energia limpa e alimentos saudáveis, o adensamento em grandes cidades, a saúde e os cuidados médicos, por exemplo.

Essa grande oportunidade para as empresas, promete impactar positivamente os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável).

Logo, será possível o alcance do crescimento econômico de médio e longo prazo, além da construção de uma sociedade sustentável e centrada nas pessoas – conhecida como “Sociedade 5.0” ou “Sociedade Criativa”.

De acordo com a Japan Business Federation, a Sociedade Criativa é uma sociedade sustentável e centrada no ser humano em que os mundos físico e cibernético são altamente integrados pela transformação digital, ninguém fica para trás e todos trabalham juntos para criar vidas seguras e confortáveis e novas oportunidades de crescimento.

A Sociedade Criativa não é apenas uma sociedade superinteligente, mas também uma sociedade na qual qualquer pessoa, a qualquer hora e em qualquer lugar, cria valores enquanto vive em harmonia com a natureza, utilizando tecnologias inovadoras.

Assim, o investimento ESG inovador torna-se imprescindível em qualquer negócio. Há um apelo global às empresas para utilizar a transformação digital e reformar suas estruturas organizacionais, proporcionando um ambiente diverso de pessoas em que possam demonstrar suas habilidades de imaginação e criatividade.

A diferença entre a Sociedade Criativa e a quarta Revolução Industrial – a Indústria 4.0, está em seus propósitos. O objetivo da Indústria 4.0 é buscar a transformação tecnológica e industrial, enquanto a Sociedade Criativa busca a felicidade humana e a construção de uma sociedade mais bem sustentada nessa transformação.

Uma sociedade sustentável e centrada no ser humano é o S no centro do ESG, na qual o crescimento econômico é compatível com a resolução de várias questões sociais, como saúde e cuidados médicos, agricultura e alimentos, meio ambiente e mudanças climáticas, energia, segurança e prevenção de desastres, e igualdade de pessoas e gênero, e em que cada pessoa possa viver e trabalhar com justiça.

O investimento ESG e a inovação são as principais alternativas dos investidores para resolver questões sociais.

Características comuns entre o ESG e a Sociedade Criativa:

1. Voltados para o futuro (potencialidade) – tanto os investimentos ESG quanto a Sociedade Criativa pensam à frente;

2. Fomentação do crescimento econômico e os retornos (lucratividade): o investimento ESG e a Sociedade Criativa têm como objetivo aumentar não apenas o valor social, mas também o econômico;

3. Objetivo de alcançar os ODS (sustentabilidade): tanto o investimento ESG quanto a Sociedade Criativa 5.0 têm como desafio abordar questões globais, alcançar os ODS e criar uma sociedade sustentável.

Fonte: Haroldo Rodrigues – sócio-fundador da investidora in3 New B Capital S.A

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email

Artigos em Relacionamento

Ribeirão Preto: R$ 381,8 milhões em projetos de estrutura e inovação

Recursos devem ser utilizados no prazo de 5 anos e município deve dar contrapartida de R$ 95,4 milhões Foi aprovada pela Comissão de Financiamentos Estrangeiros (Cofiex), do Ministério da Economia, a destinação de US$ 69,7 milhões da Corporação Andina de Fomento (CAF) para financiar projetos de mobilidade, inovação, meio ambiente, entre outras áreas, em Ribeirão

O que faz empresas tradicionais se transformarem em startups?

Em entrevista exclusiva ao portal de tecnologia Canaltech, executivos explicam como as empresas tradicionais se rendem à cultura das startups Uma empresa tradicional trabalha em áreas de atuação conhecidas e busca operações estáveis que geram lucros. Já uma startup atua com soluções inovadoras e escaláveis, isto é, onde o número de clientes aumenta sem que

Lançada chamada pública da Finep/MCTI para implantação de centros de inovação em todo o País

Ao todo, serão investidos R$ 50 milhões em recursos não reembolsáveis do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico A Finep, empresa pública federal vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), divulgou uma chamada pública para apoio financeiro a Centros de Inovação, situados em municípios que contam com universidades, centros de pesquisa e

pt_BRPortuguese
Rolar para cima