Estudo da Mastercard indica que pandemia impulsiona inovação e aumenta demanda do consumidor por personalização

Levantamento da Mastercard realizado com a Harvard Business Review Analytics Services identifica novos insights sobre inovação, segurança aprimorada e experiências do cliente

Uma pesquisa realizada pela Mastercard em parceria com a Harvard Business Review Analytics Services mostra mudanças nos hábitos dos consumidores durante a pandemia e aumento da demanda por soluções digital-first, além de experiências mais personalizadas.

O relatório Become Index é uma iniciativa anual que fornece os insights necessários para estimular a inovação, com extensas pesquisas e diferentes contribuições de consumidores e das empresas mais revolucionárias em todo o mundo.

Em sua segunda edição, o Become Index apontou que 53% dos executivos entrevistados afirmam que suas organizações priorizam a inovação e 42% afirmam que suas empresas reagiram à necessidade de inovar, aumentando seus orçamentos. Foram desenvolvidas novas maneiras de manter os funcionários seguros e novos caminhos para se conectar e atender aos clientes, protegendo sua saúde.

Em pesquisa realizada com mais de 1.800 líderes empresarias e mais de 10.000 consumidores em todos os setores pelo mundo, o Become Index identificou as principais características que definem as empresas mais inovadoras:

  • Agilidade: acompanham a adoção de tecnologias digitais de forma ágil e as necessidades do cliente em tempo real, especialmente em experiências sem contato;
  • Análise ‘Surround Sound‘: tomam decisões baseadas em dados;
  • Segurança de Dados Blindada: protegem os clientes e seus dados;
  • Investimento Estratégico: assumem riscos intencionais e aceitam o fracasso como parte do processo;
  • Proximidade do cliente: mantêm os clientes próximos como orientadores para o processo de inovação.

Alex Clemente, Diretor Geral da Harvard Business Review Analytic Services (HBR-AS), afirma que, à medida que o mundo mostra sinais de recuperação pós-pandemia, o ritmo da inovação nos trouxe novas oportunidades, mas também alguns desafios. Muitas organizações provaram que podem ser rápidas e emergir mais fortes para o que está por vir, mas há algumas lacunas naquilo que as empresas consideram importante e naquilo que os consumidores precisam durante e após a pandemia. “Acredito que as empresas e a sociedade, em geral, serão forçadas a redefinir o que significa ser inovador. E as empresas em todos os lugares precisam reavaliar se o ritmo dessa mudança pode ser sustentado”, completa. 

A pesquisa ainda definiu cinco áreas-chave para as companhias que desejam se destacar no futuro endereçando os riscos de hoje e as demandas dos consumidores:

  • Reconstruir de forma humana: a pesquisa descobriu que 71% dos consumidores afirmam ser mais provável que comprem das marcas que refletem seus valores e oferecem melhor atendimento aos seus clientes e funcionários;
  • Romper as barreiras do trabalho remoto: mais de um terço (38%) dos executivos citam o trabalho remoto como um desafio para a inovação e o crescimento futuros. Um conjunto de equipes distribuídas não apenas apresenta barreiras à colaboração, – mas, também, pode manter as pessoas afastadas de recursos que apoiam a inovação;
  • Priorizar os investimentos em inovação: um dos desafios mais comuns à inovação é uma perspectiva econômica incerta e a perda potencial de receita. Mais da metade dos entrevistados, 63% cita a incerteza econômica e 46% citam a perda de receita como um desafio à inovação, tornando mais difícil decidir quais esforços buscar e quais apresentar;
  • Prevenir problemas de segurança e privacidade de dados: apenas 37% das organizações entrevistadas indicaram investimentos recentes ou que planejam investir em privacidade de dados e gerenciamento de segurança cibernética para melhorar a experiência do cliente. Da mesma forma, apenas 35% dos entrevistados afirmaram que os investimentos recentes em privacidade e segurança de dados foram feitos em reação à pandemia;
  • Personalizar a proximidade com o cliente: dentre os consumidores entrevistados, 36% afirmaram desejar compartilhar mais informações pessoais se isso significar uma experiência de atendimento mais imediata e personalizada. Por meio de investimentos em recursos digitais orientados por dados e em tempo real, é possível compreender as necessidades do cliente.

“Este relatório mostra que as pessoas estão exigindo uma ação real. O mundo mudou com a pandemia e as pessoas estão tendo menos paciência apenas com o discurso das companhias sem uma ação efetiva. Como vimos nesses resultados, muitas empresas não estão atendendo à essa expectativa e, portanto, precisarão trabalhar mais para isso”, afirma Michael Miebach, CEO da Mastercard.

Relatórios da Pesquisa

Os relatórios completos do Become 2021: The Value of Experience: Customer Needs Top the Innovation Agenda (O valor da experiência: as necessidades do consumidor encabeçam a agenda de inovação) e The CEO Story: Innovating from Crisis to Recovery (A história dos CEOs: inovando da crise até a recuperação), estão disponíveis em: BecomeIndex.com ou HBR.org.

Fonte: Mastercard

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

Artigos em Relacionamento

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada do MCTI em parceria com o CNPq é a primeira a financiar pesquisas que utilizarão laboratórios flutuante e terrestre do Sistema O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) abriram uma nova chamada, voltada à pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites (SALAS). Com

chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

MCTI, FINEP e CNPq anunciam chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

Editais divulgados em transmissão ao vivo contam com recursos do FNDCT Na última quinta-feira (28), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou, junto aos presidentes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), novas chamadas públicas com uso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Selecionadas pela Jetro São Paulo por meio do programa ScaleUp in Brasil, empresas são das áreas de energia, tecnologia limpa, agro, finanças e saúde As startups japonesas, que já davam passos tímidos em direção ao mercado brasileiro, foram selecionadas pela Japan External Trade Organization (Jetro) e chegam ao Brasil com o objetivo de buscar parceiros

pt_BRPortuguese
Rolar para cima