Inteligência artificial no combate à fome

É de conhecimento a necessidade de realizar ações que possuem como objetivo o combate à fome. Para isso, algoritmos foram desenvolvidos por pesquisadores do Centro de Inteligência Artificial (C4AI), que identificam quais regiões demandam infraestrutura e opções para o fornecimento de alimentos. 

A ferramenta que utiliza Inteligência Artificial visa esclarecer ao poder público, empresa ou organização onde devem agir, de maneira mais assertiva e eficiente.

As informações utilizadas para o abastecimento de dados de um dos protótipos desenvolvidos são provenientes de dados abertos do Governo Federal, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) e informações relacionadas à indústria de alimentos, sendo utilizados para identificar quais regiões são mais passíveis à fome na cidade de São Paulo.

O professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP e pesquisador da C4AI, Alexandre Delbem, é o responsável pela criação desta tecnologia e afirma “ela se adapta aos dados que possui e descobre sozinha como pode cruzar aqueles que se complementam, mesmo que sejam poucos, e tirar o melhor proveito para contribuir com a tomada de decisão. Basta colocar informações cruas, sem tratamento, que a inteligência artificial interpreta e apresenta resultados e previsões em relatórios, planilhas, gráficos ou mapas”.

Segundo Delbem, além das ações supracitadas, com a inteligência artificial seria possível ainda coletar informações sobre mudanças climáticas e prever possíveis desabastecimentos na agricultura, tornando possível preparar-se com antecedência. Ou seja, a solução pode ser abastecida com qualquer dado e atuar positivamente em outras frentes, como por exemplo, na comunicação entre profissionais de áreas distintas. “Ela conecta as informações e apresenta dados confiáveis para a tomada de decisão. Os gestores vão poder dialogar. Isso pode ajudar as prefeituras fazendo com que secretários de diferentes áreas tomem decisões juntos”, explica o cientista.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

Artigos em Relacionamento

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada do MCTI em parceria com o CNPq é a primeira a financiar pesquisas que utilizarão laboratórios flutuante e terrestre do Sistema O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) abriram uma nova chamada, voltada à pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites (SALAS). Com

chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

MCTI, FINEP e CNPq anunciam chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

Editais divulgados em transmissão ao vivo contam com recursos do FNDCT Na última quinta-feira (28), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou, junto aos presidentes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), novas chamadas públicas com uso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Selecionadas pela Jetro São Paulo por meio do programa ScaleUp in Brasil, empresas são das áreas de energia, tecnologia limpa, agro, finanças e saúde As startups japonesas, que já davam passos tímidos em direção ao mercado brasileiro, foram selecionadas pela Japan External Trade Organization (Jetro) e chegam ao Brasil com o objetivo de buscar parceiros

pt_BRPortuguese
Rolar para cima