O que são os laboratórios de inovação que tornam o governo mais tecnológico

Entenda o cenário dos i-labs no setor público para fomentar a cultura de inovação e impulsionar a digitalização do Governo

Os chamados laboratórios de inovação ou “i-labs” estão se tornando cada vez mais conhecidos e presentes, principalmente, no setor público brasileiro.

O termo tem como base a experimentação, sua principal estratégia de atuação na qual atuam equipes de diferentes áreas – cientistas sociais, antropólogos, engenheiros – responsáveis por testar políticas públicas em um ambiente “controlado”, permitindo que seus impactos sejam mensurados e suas estratégias, aprimoradas, antes que a implementação ocorra em larga escala.

Devido ao alto nível de testagem de possíveis soluções, os laboratórios são o ambiente ideal para que surja alguma inovação, tendo em vista a oportunidade do desenvolvimento de metodologias disruptivas, problemas delineados, ideias geradas e protótipos criados e validados.

A ideia é bastante intuitiva: um gestor público que deseja implementar uma nova metodologia de ensino, nunca antes testada, pode conduzir um experimento com um pequeno grupo de estudantes, verificar os resultados obtidos e fazer os ajustes necessários antes de expandi-la para toda a rede educacional, composta por milhares de alunos, professores e outros trabalhadores.

Os experimentos realizados em políticas publicadas possibilitam, além da liberdade para inovar, rapidez para colher resultados e validar hipóteses ou, ao contrário, identificar decisões equivocadas e fazer correções de rota.

De acordo com uma pesquisa lançada pelo BrazilLAB e pela Fundação Brava, a relevância dos laboratórios de inovação para transformação digital pode ir muito além.

As crises sistêmicas demandam uma certa constância por soluções tecnológicas e inovadoras, e consequentemente o papel dos laboratórios de inovação ganham ainda mais relevância.

A tendência é que essa relevância aumente, já que os laboratórios de inovação receberam um capítulo específico na Lei Federal nº 14.129, a chamada Lei de Governo Digital, sancionada no último dia 29 de março e considerada, por muitos especialistas, um grande avanço para a agenda da transformação digital no Brasil.

Não perca o lançamento do estudo exclusivo sobre os laboratórios de inovação, elaborado pelo BrazilLAB e pela Fundação Brava, em parceria com o Center for Public Impact (CPI). O evento acontecerá nesta sexta-feira (28), durante o BrazilLAB Talks.

Clique aqui e se inscreva.

Fonte: Tilt UOL

A utilização de ICT – Instituição de Ciência e Tecnologia, é um excelente instrumento de apoio à inovação e estímulo à competitividade.

A G.A.C. Brasil auxilia empresas privadas com os estudos de viabilidade, proporciona o uso otimizado da Lei do Bem e as melhores opções de funding para PD&I.

Entre em contato conosco para receber mais informações.

Nossos canais:

E-mail: contato@group-gac.com.br

Telefone: (11) 4858-9350 e WhatsApp (11) 99221-9019.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Email

Artigos em Relacionamento

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada Pública para pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites

Chamada do MCTI em parceria com o CNPq é a primeira a financiar pesquisas que utilizarão laboratórios flutuante e terrestre do Sistema O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) abriram uma nova chamada, voltada à pesquisa no Sistema Amazônico de Laboratórios Satélites (SALAS). Com

chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

MCTI, FINEP e CNPq anunciam chamadas nas áreas de saúde e biotecnologia

Editais divulgados em transmissão ao vivo contam com recursos do FNDCT Na última quinta-feira (28), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou, junto aos presidentes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), novas chamadas públicas com uso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Startups japonesas buscam emplacar parceiras e negócios no Brasil

Selecionadas pela Jetro São Paulo por meio do programa ScaleUp in Brasil, empresas são das áreas de energia, tecnologia limpa, agro, finanças e saúde As startups japonesas, que já davam passos tímidos em direção ao mercado brasileiro, foram selecionadas pela Japan External Trade Organization (Jetro) e chegam ao Brasil com o objetivo de buscar parceiros

pt_BRPortuguese
Rolar para cima