Brasil

Cooperação em ciência, tecnologia e inovação com a China é prioritária no MCTI

Cooperação em ciência, tecnologia e inovação com a China é prioritária no MCTI

Ministra Luciana Santos compartilha avanços do MCTI em encontro prévio à VII Sessão Plenária da COSBAN

A colaboração no campo da ciência, tecnologia e inovação com a China ocupa um lugar de destaque no Ministério, abrangendo diversas áreas, desde tecnologias relacionadas ao uso de fontes de luz síncrotron – onde o Brasil está em um estágio de desenvolvimento mais avançado do que a China – até questões ligadas à mudança climática e tecnologias inovadoras para energia, bem como projetos no âmbito do desenvolvimento espacial, como satélites e radiotelescópios.

Essa ênfase na cooperação foi elucidada pela Ministra de Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, durante a reunião interministerial preparatória para a VII Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), realizada no Palácio do Itamaraty, em Brasília (DF), no dia 24 de agosto.

O propósito desse encontro consistiu em monitorar o progresso das atividades delineadas nos Planos Estratégico e Executivo Brasil-China, em vigor desde 2022. Além disso, teve como meta a identificação de iniciativas tangíveis de colaboração entre os dois países, com potencial para resultar em avanços concretos durante a VII Sessão Plenária da COSBAN, agendada para 2024.

“A cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação com a China é uma prioridade no MCTI, que lidera três subcomissões da COSBAN”, enfatizou a Ministra Luciana Santos em seu discurso inicial.

Dentre as ações conduzidas por essa subcomissão, a Ministra recordou, por exemplo, o memorando de entendimento firmado em 30 de maio entre o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM/MCTI) e o Instituto de Física de Alta Energia (IHEP, China), visando à cooperação científica no campo de tecnologias relacionadas ao uso de fontes de luz síncrotron. Ela enfatizou a relevância dessa ação, uma vez que o Brasil contribui com conhecimento tecnológico aos chineses, devido ao estágio avançado de desenvolvimento em que se encontra, ao invés de apenas absorver conhecimento.

Adicionalmente, a Ministra discorreu sobre o apoio prestado pelo MCTI ao Centro China-Brasil de Mudança Climática e Tecnologias Inovadoras para Energia, uma iniciativa conjunta da Universidade de Tsinghua e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Recentemente, essas instituições renovaram sua colaboração até 2027, abarcando áreas como planejamento energético, cidades inteligentes, mobilidade (incluindo veículos híbridos), empreendedorismo e inovação.

A colaboração no Espaço também foi um ponto salientado pela Ministra, particularmente em relação ao projeto do satélite CBERS-6, que incorpora a Plataforma Multimissão, tecnologia desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Essa plataforma permitirá a aquisição de imagens mesmo através de nuvens, utilizando radar de abertura sintética. A Ministra destacou a importância dessa colaboração, mencionando que o Brasil ainda não detém completamente essa tecnologia e que a parceria com a China proporcionará uma oportunidade de aprendizado para os engenheiros do INPE. Além disso, ela ressaltou que o projeto conta com um investimento de cerca de R$ 250 milhões do MCTI.

 A Ministra também fez menção ao radiotelescópio BINGO (Baryon Acoustic Oscillations from Integrated Neutral Gas Observations), localizado na Paraíba. Além de seu objetivo principal de pesquisa sobre matéria escura, esse radiotelescópio impulsionará o desenvolvimento de tecnologia de instrumentação para cosmologia observacional e astrofísica.

Por fim, a Ministra mencionou as atividades em andamento na Subcomissão de Indústria e Tecnologias da Informação e Comunicação, que abrange a colaboração entre o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD) e a Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações. O objetivo dessa parceria é o desenvolvimento de projetos envolvendo tecnologias avançadas de comunicação, incluindo a capacitação de recursos humanos.

Fonte: MCTI

Compartilhe: